20 coisas que aprendi em Erasmus/ 20 things that I learned during my Erasmus

1- A tua vida muda. É inevitável.// Your life changes. It is inevitable.

2- Aquele mito da barriga de cerveja é verdade – engorda muito.// The beer tummy myth is true – it makes us gain weight.

3- O frio é relativo e totalmente psicológico.// The cold is relative and totally psychological.

Continuar a ler 20 coisas que aprendi em Erasmus/ 20 things that I learned during my Erasmus

Anúncios

The kind of love that makes this worthy

The love for things, people, music, books, and movies The kind of love that keeps us passionate of being around here. The kind of love that keeps us excited about life.

“Nature has cunning ways of finding our weakest spot” and don’t let love be one of our weakest spots.

 

 

O que o espelho mostra e o que os nossos olhos vêem

No decorrer daquilo que foi publicado ontem, hoje venho escrever sobre algo que me deixa vulnerável e que me tira totalmente da minha zona de conforto, que me deixa nervosa E receosa. Mas, como disse, que a decisão seja sempre a de premir o botão, por isso vamos lá a isso. Continuar a ler O que o espelho mostra e o que os nossos olhos vêem

Premir o botão – sempre

São várias as coisas que me tiram da minha zona de conforto e que me deixam vulnerável. Escrever neste blog é uma delas. Ou melhor, não o ato de escrever em geral, mas o ato de escrever sobre certas coisas em particular. Há coisas que tenho cá dentro, que sinto necessidade de escrever sobre, mas que tantas e tantas vezes me fazem questionar se quero mesmo escrever sobre isso. Reformulando, que me fazem questionar se quero mesmo publicar sobre isso.

Continuar a ler Premir o botão – sempre

O que seria de nós?

Acredito que a vida é feita de privilégios, mas que nos dias que correm temos menos tendência a dar-nos conta desses mesmos privilégios. Deixamos de valorizar as pequenas coisas e somos tomados por uma pessimismo generalista. Acabamos por olhar para o copo sempre meio vazio por mais que a vida nos mostre, todos os dias, que o copo podia nem meio vazio estar. Também podemos olhar para o copo e pensar sob um ponto de vista ambicioso – caramba, o copo podia estar totalmente cheio. E também podemos ser chamados de conformistas ou de que nos contentamos com pouco quando vemos o copo sempre meio cheio.

Continuar a ler O que seria de nós?